Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vamos lá ter um bebé!

Achavam que iam encontrar resposta para os dramas da maternidade? Não! Este blog conta a experiência de 2 pais inexperientes que ainda estão aprender a diferença entre body e babygrow. Prometemos doses de riso e muito amor!

Testemunho de quem não passa por nada

Nós os homens temos a vida facilitada nisto das gravidezes. Na verdade somos meros observadores daquilo que é o milagre da vida e embora sempre presentes, nunca passamos realmente por nada em primeira mão.

 

Então a minha experiência começou às 10 da noite depois de um episódio da série de eleição, a mãe começou  dizer que durante o dia se sentiu diferente e que agora estava com umas contrações com mais intensidade.. eu não sentia nada tirando alguma vontade de acabar de ver o episódio.

 

São 11:30 e já estamos a tentar ir para a cama mas a mãe pára a cada 10min por causa de contrações e faz umas caretas. Ainda consegue rir de piadas parvas mas claramente com algum desconforto.. eu sinto sono.

 

São 1:00 da manhã e as dores começam a ser mais agudas (eu sei porque o som que a mãe faz também é mais agudo..) e decidimos ir para o hospital. A mãe parece um pouco assustada mas muito controlada.. eu estou excitado e proponho tirar umas selfies.

 

Chegamos às urgências e depois de sermos atendidos a médica diz que a mãe não começou o trabalho de parto e temos de voltar para casa. Ela está confusa e diz "se isto não são as dores do trabalho de parto nem quero imaginar" depois de mandar um "não percebo nada" para o ar.. eu estou tipo koala na árvore a mascar folhas e a contemplar o mundo à minha frente a pensar "sabe lá ela o significado de não perceber nada..".

 

Voltamos para casa e a mãe vira guerreira. aa contrações ficam muito mais agressivas e dolorosas com intervalos de 7min. A mãe agarra-se aos lençóis, ao colchão, ao meu braço, à minha mão, enrola o punho, trinca a almofada e geme de dores. São 2 da manhã e nesse dia acordámos às 6:30, por isso existe sempre a tentativa de de dormir entre cada ataque mas parece uma tortura do sono, quase que adormece e de repente, pimba! A mãe está em clara agonia.. eu estou tipo treinador de bancada a dizer para respirar, para relaxar entre contrações e a moralizar com tudo o que de positivo possa pensar como se isso fosse influenciar as dores. Estou totalmente fora do filme.

 

São 7:30 da manhã e a mãe está de rastos porque o filme é igual desde as 2:00. Já esgotei o vocabulário da moralização de bolso e  a mãe passou da agonia para o desespero. Está na hora de ir para o hospital e desta vez ficamos, nem que tenhamos de meter algemas nos pulsos à volta de um corrimão. 

Ligamos para o sogro para nos dar uma boleia até ao hospital (podia ir eu a guiar mas coitadinho de mim que não dormi nada). A minha sogra aparece com um sorriso enorme à porta de casa e nós nem força na bochecha temos. Naquele momento a mãe é um zombie sem forças e a levar porrada de contrações a cada 6/7min e eu .. sou só um gajo com sono na verdade.

 

Fazemos a autoestrada em 4 piscas e na faixa de emergência em plena hora de ponta às 8:30 da manhã. Chegamos ao hospital e a primeira coisa é pedir uma cadeira de rodas para  a mãe (embora eu esteja muito cansado sou um cavalheiro) e ir de elevador directo para o andar da epidoral!

 

Quando levam a mãe para longe do meu controlo fiquei um bocado atrapalhado pela primeira vez .. estava claro na minha cabeça que é suposto eu ser a testemunha do processo e assim há coisas que não vejo! Ando à volta à procura da porta onde ela terá entrado e de repente oiço um berro familiar de dentro de um consultório fechado seguido de um "Bem vinda ao trabalho de parto". Estou à porta e devo ter ar de menino perdido porque uma enfermeira vem ter comigo sem eu pedir e antes de ela abrir a boca digo "Sou o marido" e com um sorriso sou recambiado para a sala de espera com um "já o chamamos".

 

Passados 40min lá me chamam para o quarto onde a mãe está com uma expressão de tranquilidade que parecia que eu não via à anos (mas na verdade era desde ontem). Uma expressão epidural!

 

Agora começou o dia..

 

O pai

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub