Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vamos lá ter um bebé!

Achavam que iam encontrar resposta para os dramas da maternidade? Não! Este blog conta a experiência de 2 pais inexperientes que ainda estão aprender a diferença entre body e babygrow. Prometemos doses de riso e muito amor!

O bebé na barriga também comunica.

O bebé dentro da barriga da mãe cresce de forma relativamente discreta no que toca a interacções com o mundo exterior (a barriga a crescer e as hormonas acho que são mais o bebé a interagir com a mãe). A partir dos 5 ou 6 meses começam os primeiros ligeiros olás que o bebé dá para o mundo exterior e, embora a mãe já tenha dito que por vezes parece que tem um ratinho a andar numa roda dentro da barriga, só nesta altura é que o pai consegue (com muita concentração e sorte) sentir, com a mão na barriga, uns ligeiros empurrões de dentro para fora.

 

A mim ela só se mostrou mais tarde, só depois de se mostrar à avó, às amigas do trabalho da mãe e às tias (mais uma vez se mostra que o pai aqui é um título sem muito poder na gravidez...), e só depois de muitas horas de mão na barriga em frente à televisão ou num jantar lado a lado é que ela decidiu dizer olá ao pai. Cheira-me que vem ai o feitio da mãe..

 

À medida que os meses vão passando a timidez do bebé vai-se tornando cada vez menos presente, os empurrões passam a pontapés e raras são as vezes que não se sente um olá quando se põe a mão na barriga da mãe. A certa altura é bem visível todo o pontapé e empurrão, parece que a mãe de repente teve uma mini explosão dentro da barriga.. ou gases.. muito agressivos.

 

A sensação de sentir o bebé às 35 semanas é avassaladora. O pontapé ou empurrão é muito forte e parece que o olá passou a um "sai daqui que estás a fazer calor". Às vezes a mãe (pobre coitada) está tranquilamente sentada a jantar ou deitada no sofá a ver uma série e de repente salta manda um berro e faz uma cara de sofrimento porque o bebé daquela vez, em vez de pontapear para a frente em direção ao umbigo pontapeou para o lado e para cima em direção às costelas e possivelmente ficou com o dedão grande do pé preso entre a 3ª e a 4ª durante um segundinho (sem certeza científica aqui mas isto é claramente o que se passa lá dentro).

 

  

Acredito que para a mãe a sensação não seja tão agradável por vezes.. mas agora que estamos quase a conhecermo-nos cara a cara, o melhor momento que eu tenho com aquele bebé é quando acordo de manhã e enquanto abraço a mãe antes de me levantar levo com um fortíssimo "sai daqui que acabei de acordar" do meu bébé.

 

O pai.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub